Conheça a história do amor de cupido e psique

Quem nunca ouviu falar sobre o Cupido, especialmente nesta época do ano, quando celebramos o Dia dos Namorados? Mas, e o que você sabe sobre esse personagem e a respeito de sua história de amor com a belíssima Psique?

Divindade marota

O Cupido era o antigo deus do amor na mitologia romana — ele corresponde a Eros na grega — e, de acordo com o mito, era filho de Vênus, a deusa do amor, e Mercúrio, o mensageiro dos deuses. Normalmente, esse personagem é retratado como um garotinho alado empunhando arco e flechas com as quais atinge suas vítimas (mortais e imortais) e as enche de sentimentos de amor e paixão.

Entretanto, também existem representações nas quais o Cupido parece um pouco mais velho, já como um rapaz, vestindo uma armadura semelhante à do deus romano da guerra Marte, possivelmente com o objetivo de simbolizar o caráter invencível do amor ou, ainda, com o propósito de criar um paralelo entre o romance e a guerra.

De qualquer forma, era comum que o Cupido fosse retratado com um personagem relativamente descuidado — e inclusive inclinado a cometer travessuras — na hora de apontar suas flechas e acertar seus alvos. Aliás, quando a missão de criar casais apaixonados era encomendada pela mãe dessa divindade marota, Vênus, quase sempre a intenção era a de causar alguma confusão amorosa, e foi assim que a história de amor entre Cupido e Psique aconteceu.

Casal acidental

A história de Cupido e Psique foi relatada por Lucio Apuleio na obra “Metamorfoses” — também conhecida como “O Asno de Ouro” — no século II e consiste no único romance latino que sobreviveu à passagem dos séculos e se manteve preservado de maneira integral. Segundo o mito, Psique era a mais jovem das três filhas de um casal de reis de uma terra distante, só que ela era tão, tão bela, que os homens, distraídos, começaram a se esquecer de fazer suas oferendas a Vênus para ficar contemplando a jovem.

Para piorar, chegaram aos ouvidos da deusa rumores de que os mortais haviam começado a comparar a beldade a ela e até a dizer que Psique era mais bonita — o que deixou a divindade morta de ciúmes. Vênus, então, chamou seu filhote, Cupido, e ordenou que ele descesse à Terra e usasse suas flechinhas  para fazer com que Psique se apaixonasse por alguém muito, muito feio.

Acontece que, quando foi cumprir com a missão, Cupido também ficou impressionado com a beleza estonteante de Psique e, distraído, acabou se ferindo com uma de suas próprias flechas. O deus alado acabou se apaixonando perdidamente pela moça, e foi aí que a confusão começou.

A história se complica

Embora fosse a mais belas das três irmãs, Psique era a única que ainda não havia se casado, e os pais da jovem começam a desconfiar que a beleza da filha podia ter enfurecido os deuses. Assim, eles decidem consultar o oráculo de Apolo e recebem a notícia de que a moça não se casaria com um humano, mas sim com uma espécie de dragão terrível que vivia no alto de uma montanha, aterrorizava o mundo com fogo e ferro e era temido inclusive pelos habitantes do submundo — e até por Júpiter, o deus romano do dia.

A pobre moça, aceitando seu destino, se veste com roupas funerárias e resolve ir ao encontro da criatura. Mas, ao chegar ao topo da montanha, o vento do oeste a leva até um pequeno bosque, onde ela encontra uma casa majestosa, com paredes de prata ornamentada, pisos decorados com pedras preciosas e repleta de colunas de ouro. Uma vez na residência, Psique ouve uma voz — presumivelmente do monstro — que pede que ela se sirva de um banquete e fique confortável.

Papo vai, papo vem com a tal criatura, Psique acaba indo para um quarto completamente escuro e se entregando ao monstro. Com o tempo, a moça começa a curtir os encontros com o suposto dragão, mas ele a proíbe de usar qualquer fonte de luz e faz com que ela prometa que jamais tentará vê-lo.

E as coisas entre os dois funcionam às mil maravilhas — até que as irmãs de Psique aparecem para uma visitinha e, sentindo inveja de como a moça vivia, convencem a jovem de que ela devia terminar o romance com o monstro, descobrir sua verdadeira identidade e matá-lo. Assim, uma noite, enquanto a criatura dormia, Psique, armada com um adaga, decide acender uma lamparina e descobre que, na verdade, seu marido é o Cupido.

Irmãs invejosas e intriguentas

Surpresa ao perceber que, em vez de estar casada com um ser horrendo, seu companheiro era uma das criaturas mais belas que Psique havia visto na vida, ela se afasta e acaba se ferindo com uma das flechas do Cupido e se apaixonando perdidamente por ele. Depois, ela acidentalmente derruba um pouco do óleo quente da lamparina no rapaz alado e ele foge voando.

Provações

Segundo o mito, Psique sai em busca do Cupido por todas as partes, mas não encontra nem rastro do amado. Então, ela chega ao templo de Ceres, a deusa dos grãos, e ouve da divindade que, para rever seu marido, a moça deve ir até Vênus e enfrentar a sogra. Psique obedece e, ao se encontrar com a deusa a desafia a norinha a realizar três provas impossíveis. A primeira consistia em separar pilhas e pilhas de grãos de diversas variedades em um tempo supercurto de tempo.

Psique não obedeceu e abriu a caixinha

A segunda prova consistia em roubar a lã de ouro de um rebanho de ovelhas e, a terceira, em ir até o submundo com uma caixinha de cristal e pedir que Proserpina, esposa de Plutão, desse a ela um pouco de sua beleza. Porém, Psique não podia abrir o recipiente, uma vez que isso desencaderia uma maldição. Só que, sem que Psique soubesse, o Cupido a ajuda a completar todas as provas, mas, no final, não consegue impedir que a moça abrisse a caixinha e caísse em um sono eterno.

Cupido, então, vai até Júpiter, o Todo-Poderoso, e pede que ele tenha uma conversinha com Vênus, e a deusa acaba cedendo, anulando a maldição e permitindo que Psique seja transformada em imortal. Depois disso, os dois apaixonados se casaram novamente — tiveram uma filha a quem eles chamaram de Prazer — e viveram felizes e apaixonados por toda a eternidade. 

 

 

      • Fontes: ENcyclopaedia Britanninca, megacurioso, University of Pittsburgh, Ancient Origins/Ryan Stone, The Secret Greece/Mantha Tsikoudi,Tales Beyond Belief/Josephine Preston Peabody,Grade Saver/Edith Hamilton
Imagens 

  • Wikimedia Commons/François Gérard,
  • Wikimedia Commons/François-Édouard Picot
  • Wikimedia Commons/Anthony van Dyck
  • The Secret Greece
  • The Met
  • Enchanted Spark

Barrancas Seu Portal de Notícias

Avalie esta postagem

MAIS RECENTES

Author: redação
Tags

Comentários no Facebook

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com