Dilma cria estação ecologia em Maués em uma área rica em minério

Localizada em uma área rica em minério para exploração e abrigando centenas de famílias, reserva será restrita a pesquisas científicas e preservação da floresta. Ato seria em compensação aos danos causados pelo Complexo da Hidrelétrica do Tapajós, no Pará Mesmo com o posicionamento contrário de comunitários, autoridades municipais e estaduais, a presidente Dilma Rousseff assinou na última quinta-feira (16) um decreto que autoriza a criação da Estação Ecológica Alto Maués (Esec Alto Maués), no município de Maués (distante a 280 quilômetros de Manaus). A criação da estação, que vem sendo alvo de discussão desde 2008, pode afetar diretamente o desenvolvimento econômico da região, uma vez que a área é rica em minério, além de apresentar uma ameaça a centenas de famílias que vivem nas comunidades localizadas dentro da nova reserva.

A Esec abrange uma área de aproximadamente 670 mil hectares e pertence a uma das categorias mais restritivas do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), sendo exclusivamente destinada à preservação e realização de pesquisas científicas, com uma abertura para visitações de cunho educacionais.

Tanto o município, quanto o governo do Estado, os comunitários e a comunidade de forma geral se mantiveram contrários à decisão do Governo Federal que sinalizava para a implantação da estação. Em 2011, após moção de repúdio assinada pelos vereadores da Câmara Municipal de Maués e os deputados estaduais da Aleam, novas discussões foram feitas e novamente houve sinalização contra a criação da estação por estar sendo tratada como uma forma de compensação, tendo em vista a concretização, naquele ano, do Complexo Hidrelétrico do Tapajós, no Pará, que levou a desafetação de sete unidades de conservação (UCs) federais e à perda de conquistas socioambientais até então alcançadas.

Essa decisão interfere no desenvolvimento econômico de Maués tendo em vista que essa é a maior região de potencial ourives já detectado pelo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) do estado do Amazonas e uma das maiores reservas de ouro da Amazônica Brasileira.

MAIS RECENTES

“Quero aqui não apenas repudiar, mas lamentar a falta de política articuladas por parte do governo federal. Nós não podemos aceitar isso passivamente. Estarei tomando providência junto à mesa diretora da Aleam para que a gente possa recorrer dessa decisão”. Sidney Leite

Autor: Direto da Redação
Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *