Entrevista do Prefeito de Manaus Arthur Virgílio Neto

0 Flares 0 Flares ×

Em entrevista  intitulada Arthur Virgílio: “Se o PSDB continuar como está, nem vai para o segundo turno em 2018” ao site El País,  o prefeito de Manaus Arthur Virgílio Neto, respondeu todas as perguntas feitas pelo jornalista Afonso Bentes. leia aqui na integra.

Prefeito de Manaus quer ser candidato tucano à Presidência com um programa para “privatizar tudo”

Um estranho no atual ninho tucano, que defende a união homossexual, a privatização de todas as empresas estatais e a liberação da maconha. É assim que Arthur Virgílio Neto, de 72 anos, ex-senador e prefeito de Manaus, tem tentado se diferenciar internamente para ser o nome do PSDB à presidência da República na eleição de 2018.

Com a carreira política na região Norte do país, Virgílio Neto sabe das dificuldades para quebrar um ciclo que foca principalmente as lideranças do Sudeste. Desde a sua criação, o PSDB só apresentou concorrentes ao Planalto que têm como sua base São Paulo ou Minas Gerais. Para tentar obter êxito, o manauara já escolheu seu primeiro alvo interno: João Doria Junior, o prefeito de São Paulo. “Se a gente olhar bem, com frieza, estranho é o Dória querer ser presidente. Ele não consegue governar São Paulo. Não senta para governar a cidade”.

Pergunta. Por que lançou o seu nome como pré-candidato do PSDB à presidência?

Resposta. Eu queria entender porque o João Dória lançou o dele. Eu tenho 20 anos de parlamento, entre senador e deputado, sempre em posição de liderança, três anos dirigindo meu partido, oito anos liderando a oposição ao presidente Lula. Sempre de maneira dura, mas consciente. Votei 79% das vezes com ele, quando mandou matérias naturais ou boas para o país. Naquelas que não eram, partíamos por enfrentá-lo, que acabava conosco o derrotando ou, em boa parte das vezes, sendo derrotados por uma margem pequena de votos. Fui ministro da Secretaria-Geral da Presidência no Governo Fernando Henrique, fui duas vezes líder do Governo. Se a gente olhar bem, com frieza, estranho é o Dória querer ser presidente. Ele não consegue governar São Paulo. Não senta para governar a cidade. Outro dia ele esteve em Manaus para falar sobre gestão. Meu Deus!

P. O que aconteceu?

R. Poucas pessoas foram ver a palestra dele. Só foram os que ainda se acreditavam nessa balela da eleição dele.

 P. O fato de o Doria não ser considerado um político tradicional, no atual momento não o dá certa vantagem em relação ao senhor, que carrega a política nas costas há tanto tempo?

Se for para ter o discurso do PSDB que o enfiou nessa atual confusão dele, é bom mudar o discurso

R. Nunca participei de uma prévia como aquela que ele ganhou em São Paulo. Sempre ganhei minhas convenções e minhas eleições direito.

P. Mas no atual momento, os outsidersnão saem na frente dos políticos tradicionais como o senhor?

R. O que podemos chamar de outsiders? O Ciro Gomes [PDT-CE] tem apresentado um currículo que é uma brincadeira. O que é verdade, não vale essas coisas. O que não é verdade, é muito. Ele fala que estudou em Harvard. Não sei nem se ele aprendeu inglês. E sempre tem um estilo desrespeitoso com as pessoas. Jair Bolsonaro é um outsider? Ele não é. Só é um fascista e homofóbico. Tudo o que eu não sou. Sou a favor da união gay porque respeito a união das pessoas. Me realizo como hétero e respeito os homossexuais porque acredito no amor das pessoas. Não uso a saída política que boa parte dos políticos usam, de respeitar a herança deixada pelo casal de homossexuais. Estou falando que quem se ama, tem de estar junto. Não sei onde estará esse outsider. O Doria banca o outsider, quer aparecer como crítico ao Lula, mas não foram poucas as festas que ele fez para Lula e Dilma nesse consulado petista.

P. Esse consulado a que se refere é o grupo empresarial LIDE?

R. Esse mesmo. Dória é alguém que não tem nada de empresarial, nada de industrial. Não tem chão de fábrica. Sinto que, as ideias que tenho, se coadunam com querer renovar o país.

P. Essas ideias incluem a legalização da maconha?

R. Sim. Boa parte das cidades dos Estados Unidos, assim como da Europa, separam o problema das drogas leves das pesadas. E tratam o assunto como uma questão de saúde pública. Teríamos de fazer o mesmo no Brasil. Outra razão é que temos de dar um golpe forte nos cartéis de traficantes de drogas. Esses cartéis estão tomando de assalto o Brasil. O Fernando Henrique Cardososó descobriu que era preciso liberar a maconha depois que deixou a presidência. Infelizmente.

P. Esse seu discurso a favor da união homossexual e da liberação da maconha vai um pouco na contramão da fala oficial do PSDB.

R. Se for para ter o discurso do PSDB que o enfiou nessa atual confusão dele, é bom mudar o discurso. Por exemplo, o nome do partido é completamente anacrônico: Partido da Social Democracia Brasileiro. Me diga um lugar onde a social democracia deu certo. Faliu a Europa inteira. Virou sinônimo de gastança pública, de desequilíbrio fiscal, de irresponsabilidade com a coisa pública. E nós tivemos sempre pessoas ortodoxas no plano econômico, como eu sou.

P. Se considera um político liberal?

Meu pai foi um senador, líder trabalhista, do governo [João] Goulart. Se ele fosse vivo hoje, talvez não votasse em mim.

R. Sou completamente liberal nos tanto nos costumes quanto na economia. Foi a Margaret Thatcher que organizou o país complicado que ela recebeu. Foi a Angela Merkel que consertou a Alemanha que os sociais democratas estragaram. Foi o Passos Coelho que botou de pé a economia portuguesa, depois de toda a irresponsabilidade do período do Partido Socialista Português com aquela figura degenerada, que é o José Sócrates. Simplesmente entendo que temos de mudar muito no PSDB. Sou a favor de mudar a abordagem da economia, para valer.

P. O que mudaria no discurso, por exemplo? Encamparia a tese de privatização completa?

R. Sim. Sou a favor de privatizar tudo. Se deixar para o Estado, vai dar em roubo. O Geraldo [Alckmin – governador de São Paulo] quer fazer uma média. Diz assim: “Vamos privatizar, desde que não sei o quê lá”. Não tem nada, Geraldo. Repito, se deixar para o Estado, vai dar em roubo. É o que vimos agora nesse período petista. Tem muita gente envolvida nessa confusão nos diversos partidos. O PT organizou a roubalheira. Mas ele não pôde roubar em uma empresa que foi privatizada pelo Fernando Henrique. Ele pôde roubar na Petrobras porque o patriotismo, entre aspas, dele estigmatizava todos aqueles que queriam privatizar a Petrobras. Inclusive eu.

P. Nada ficaria com o Estado?

R. Ficaria muito do que tiver relação com infraestrutura e as agências reguladoras que teriam de tomar conta das diversas áreas com mandatos independentes do mandato do presidente da República. É o que eu estou criando em Manaus. O meu mandato acaba, e o do presidente da agência, não.

P. Na sua visão, o papel seria de regulador, apenas.

R. Seria de regulador, sim. Muito da crise de 2008 nos Estados Unidos foi a autorregulamentação do mercado imobiliário americano. Depois de a crise armada, faltou um PROER [Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional], que foi tão criticado pelo PT, mas foi bem engendrado pela equipe do Fernando Henrique.

P. Antes de conseguir se candidatar, você terá uma disputa interna no PSDB. Como vai conseguir superar essas barreiras?

O prefeito Arthur Virgílio Neto.
O prefeito Arthur Virgílio Neto. DIVULGAÇÃOSEMCOM
 R. Estamos vendo nas pesquisas que nem Doria nem Geraldo tem chances de vitória pelo jogo de hoje. Na cabeça do Geraldo, ele acha que a com a possível inelegibilidade do Lula, ele vence automaticamente. Não é verdade. Ele teria de passar por uma grande reciclagem. E o Doria achou que podia bancar o anti-Lula, quando o que ele fez foi ser um dos festeiros do Lula. Tenho ouvido umas histórias de que o presidente Fernando Henrique vai pedir para o Tasso Jereissati renunciar sua candidatura para deixar o Alckmin ser o presidente do partido. Muito bem, então, significa que o Alckmin não vai se candidatar à presidência da República. Não tem lógica ele se candidatar à presidência da República presidindo o partido. Se for para prevalecer essa lógica, eu só quero cobrá-la em termos de coerência.

P. E se o seu adversário interno for o Doria?

R. Ele não transmite confiança aos paulistanos. A gente percebe que com as viagens dele, São Paulo se sente órfão. Não dá para acreditar nessa história de que é tradicional o PSDB ir para o segundo turno. Ganhamos duas com Fernando Henrique no primeiro turno (em 1994 e 1998), mas perdemos quatro no segundo (2002, 2006, 2010 e 2014). O PSDB é tetra-vice-campeão. Se continuar como está, nem vai para o segundo turno. Temos de fazer uma prévia que sacuda o país. Que coloque 1,2 milhão de pessoas para votar.

P. Quer que todos os filiados votem. É isso?

R. Eu defendo que todos os que têm ao menos um ano de filiação possam votar. Nada do que o Doria fez, de importar tucanos para a convenção. Não dá para fazer do partido um motel, de entrar, votar e sair. Quero 1,2 milhão de pessoas, que é o nosso número tradicional de filiados. E vou propor dez debates entre os candidatos, em dez cidades estratégicas do país.

P. O que você quer levar a esses debates?

Não tenho nenhuma vontade de voltar ao parlamento ou concorrer ao Governo

R. Quero que as pessoas perguntem sobre tudo. Perguntem sobre união homossexual, sobre privatização, sobre liberação da maconha. São perguntas que eles morrem de medo. Principalmente, as comportamentais. Quero que perguntem também sobre a Petrobras. Meu pai foi um senador, líder trabalhista, do governo [João] Goulart. Se ele fosse vivo hoje, talvez não votasse em mim. Meu pai tinha como sonho ter a Petrobras como uma grande potência econômica, com reflexo no exterior. Tudo o que ela não conseguiu ser em função da sistemática da corrupção que foi implementada nela. Agora, se perguntar para Doria e Alckmin eles não vão saber responder se tem de privatizar ou não.

P. Você não está preocupado se esse seu posicionamento dá voto ou se tira?

R. Não. As minhas respostas para esses temas são sempre cristalinas. A minha estratégia é ganhar no debate e na conversa aberta com os filiados. Não apenas com os representantes dos diretórios, dos deputados, senadores ou só com quem tem cargo. Temos de ter um filiado, um voto. Já tinha a conversa de que o voto de um deputado seria o equivalente ao de 17.000 filiados. Seria ridículo viramos um partido censitário. Daqui a pouco vão impedir a mulher de votar ou que o eleitor tem de ter uma propriedade rural ou um determinado nível de renda. Não podemos ser um partido censitário.

P. Se eleito presidente, qual seria sua primeira medida?

R. O Brasil não enfrenta corporações. Eu iria enfrentá-las. Não deixaria de tomar nenhuma medida porque ela é impopular. Se alguém se elege, achando que tem uma carreira para seguir, não percebendo que ali é o fim da linha, está errado. Eu mandaria para o Congresso todas as reformas necessárias no segundo dia de meu mandato, porque o primeiro seria para receber a faixa presidencial.

P. E se não obtiver o êxito em se candidatar à presidência, você se candidataria ao Governo ou ao Senado pelo Amazonas?

R. Não tenho nenhuma vontade de voltar ao parlamento ou concorrer ao Governo. Não tem sentido. Porque daria a impressão de que você fez uma coisa pensando em outra. Deu um tiro pra cima para acertar embaixo. Não é meu perfil. Já abri mão de ganhar uma eleição para o Governo quatro vezes, por mil razões. Em 2014 foi uma. Agora, em 2017, na eleição suplementar, era óbvio que a gente ganhava. Mas eu não quis disputar. Quero concorrer à presidência porque essa é uma das últimas coisas que posso fazer pelo país. Mesmo se eu não ganhar, quero trazer uma contribuição. As pessoas vão perceber que não estão diante de um político-vaselina. Vão perceber que estão diante de uma pessoa que quer políticas sociais robustas, que busca corte de gastos pesados, que quer acabar com os benefícios de categorias e de fazer as reformas necessárias.

P. Por que o PSDB está tão rachado?

R. Quando ocorreu a emergência do Temer em substituição à Dilma Rousseff, todos entendemos que era necessário dar esse suporte. A cisão ocorre com as investigações que foram abertas contra o Temer. No começo, tínhamos de saber se queríamos mesmo as reformas, porque elas estão sendo propostas por uma pessoa que está sendo bombardeada por acusações graves. Na minha opinião devemos votar a reforma da Previdência. Mas para nos diferenciarmos desse Governo, temos de votar uma reforma ampla, não essa minirreforma que ele resolveu apresentar, agora. Ou somos reformistas ou não somos. Se dependermos de ano de eleição, nunca vamos votar. Temos de começar a ser sinceros.

P. Mas não foi a Previdência que rachou o partido. Seria esse posicionamento em cima do muro que causou a cisão?

R. Com relação à reforma da Previdência, sim. Não vejo tantas pessoas, do PSDB, animadas com a reforma. Há um grande sentimento dentro do partido que talvez não precisemos votar essa reforma. Ou que iremos votar um arremedo de reforma. E, na verdade, o partido tinha de encabeçar a exigência de votar a reforma da Previdência que impeça o caos daqui a 20 anos.

P. O PSDB aderiu ao fisiologismo?

R. Acho que você tem segmentos de fisiologia, sim. Mas você tem sobretudo, na minha opinião, um certo alívio quando se trata de fugir de temas polêmicos, como uma reforma radical da Previdência. Nesse momento, o partido falta com a sociedade porque ele deixa uma perspectiva de caos para duas décadas.

P. O partido deveria entregar todos os cargos no Governo Temer?

R. Deveria ter entregue já. Deveria entregar todos os cargos e dizer que estamos fechando questão em torno da reforma da Previdência. Se alguém não quer votar, pensando na eleição, não vai se diferenciar dos outros.

P. E se não encampar a reforma da Previdência?

R. Aí, o PSDB se iguala aos outros. Deve perder as eleições nacionais. Diminuir sua bancada federal. Perder prefeituras em 2020. Se não defender a reforma profunda da Previdência, o PSDB vira um partido com tendência à irrelevância. Se diferenciar custa caro.

P. Qual a sua avaliação sobre o Governo Temer?

R. Ele tem sido muito complicado no plano político, mas tem uma equipe econômica de primeiro nível. Está diante de uma situação que não conseguiu enfrentar o contraste entre o que a equipe do Henrique Meirelles fez e suas dificuldades no Congresso. As reformas micro passaram, mas as reformas macro não passam por causa da dificuldade política, por causa das investigações e nos escândalos que ele se envolveu. Muitas pessoas ligadas ao Temer estão presas e indiciadas. Há um grande choque entre o que se faz no econômico e o que não se faz no político.

P. Na esfera estadual você tem uma relação de amor e ódio com o PMDB, já o apoiou, já rompeu. Em 2018, apoiará alguém do PMDB para o Governo do Amazonas?

R. Não. Estivemos próximo quando o senador Eduardo Braga (PMDB) indicou o meu vice, o Marcos Rota. Nós queríamos que ele fosse o candidato na eleição suplementar, mas o Braga não abriu mão. Foi quando apoiamos o Amazonino Mendes (PDT), que venceu. Em 2018, não temos um nome para o Governo, ainda. Falei para o governador com clareza que eu o apoiava em 2017. Em 2018, não tinha nada certo. Eu esperava que ele não tivesse ambições políticas futuras.

P. Você foi citado na delação da Odebrecht como receptor de 300.000 reais como caixa dois na eleição de 2010. Como isso interfere em suas pretensões políticas?

R. Lhe dou a mais firme resposta de que aquilo ali não tem nada de verdadeiro. Meu advogado acha que as pessoas citaram o meu nome porque queriam embolsar um dinheiro. Não tem uma lei, uma medida provisória, uma indicação que eu tenha feito para favorecer esse grupo. Eles até reconhecem que queriam se aproximar de um parlamentar influente. No fim das contas, esse parlamentar influente nem se reelegeu. Nem se eu quisesse eu poderia dar alguma coisa em troca para eles. A minha presença ali desmoraliza essa lista. É muito ruim para quem quer de fato justiça.

P. O caso ainda não foi julgado?

R. Nem virou inquérito até agora. Não tem coisa nenhuma.

P. Há pouco mais de dois meses você nomeou o seu filho para a Secretaria Municipal da Casa Civil. Antes, já havia nomeado sua esposa para a Assistência Social. Por que a família? Não configura nepotismo?

R. No caso da minha esposa, ela faz o papel que outras primeiras-damas fizeram que é o de trabalhar o fundo de assistência social. Ela é arquiteta, não é uma dondoca. Como arquiteta ela ganharia algumas vezes mais do que como secretária. Ela abriu mão do que podia ganhar como arquiteta para se dedicar às pessoas que mais precisam em Manaus. Ela não é uma perua chique na favela. Com relação ao meu filho, ele é um deputado, que tem cinco mandatos. Tivemos um problema em uma lei que mandaram que extinguia a previdência médica para os servidores da prefeitura. Percebi que eu precisava trocar o gabinete e perguntei se ele não queria me ajudar. Ele topou. Estava um tanto desalentado com Brasília. Achando que o parlamento era uma coisa pouco séria e foi assim que ele veio para o meu Governo. Consultei a jurisprudência, o Tribunal de Contas, tomei todas as precauções e vi que não havia nenhum problema. Não é nepotismo. Seria se fosse no segundo escalão.

Fonte: El País

Barrancas Seu Portal de Notícias / Dar Voz Aquele Que Não Tem Voz

MAIS RECENTES

0 Flares Facebook 0 Twitter 0 Google+ 0 Pin It Share 0 LinkedIn 0 0 Flares ×
Autor: redação
Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *