Fast-food destrói bactérias que imunizam o organismo

Que fast-food faz mal à saúde todo mundo sabe. Mas um pesquisador do Reino Unido descobriu que nem mesmo as bactérias que vivem no seu estômago gostam desse tipo de alimentação!

Docente da universidade King´s College London revela em um estudo publicado em seu livro ‘The Diet Myth” (O mito da dieta) que bactérias que nos protegem contra diabetes, câncer, doenças de coração e obesidade acabam morrendo em contato com sanduíches e batatas fritas.

Tim Spector, professor de epidemologia genética, usou seu filho Tom, de 23 anos, como cobaia. Durante dez dias, o jovem, que também é estudante de genética, se alimentou somente na lanchonete McDonald´s. Após o período, foi verificada uma redução significativa no número de bactérias na sua flora intestinal.

Antes de começar minha dieta, havia cerca de 3.500 espécies de bactérias intestinais do tipo firmicutes no meu estômago. Após começar o experimento, perdi muito rápido cerca de 1.300 espécies e meu estômago começou a ser dominado por um grupo chamado bacteroidetes.

Além do problema da obesidade que vem crescendo nos Estados Unidos e em parte da Europa, a descoberta expõe o risco do consumo em excesso deste tipo de alimento para o ser humano em relação a outras doenças. A flora intestinal tem um papel importante na eliminação de micróbios responsáveis por doenças graves e até mesmo no desenvolvimento de autismo.

Ainda de acordo com o pesquisador, alimentos como alho, café e cerveja belga são ótimos para repor a flora intestinal e mantê-la diversificada para proteger o nosso organismo.

Para o livro, Spector também analisou registros de 12 mil gêmeos no Reino Unido, que são monitorados durante a vida para a observação dos efeitos de fatores ambientais e da variedade genética. A conclusão foi que a exclusão de gordura e açúcar para uma dieta saudável é menos importante do que a certeza de que o alimento ingerido é o mais natural possível.

 

 

 

Fonte: Yahoo

MAIS RECENTES

Autor: Direto da Redação
Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *