O Caboclo

0 Flares 0 Flares ×

Por: Isaura Ardenghi Reichmann

Uma choupana
Lá no meio do mato
Uma rede amarrada
A grelha em cima do fogão
Os filhos de pés descalços
Não precisam de explicação
Os missionários a palavra de Cristo
Levaram ao seu coração
Essa gente simples
Mal conversada
Mãos calejadas pela enxada
Essa gente inocente
Não estão algemadas pela ambição
Os caminhos que traçam
No meio do mato
São trilhados
Pelos seus próprios passos
Procurando solução
Essa gente humilde
Criada longe da civilização
São muito sábias
Porque aceitaram Cristo no coração
Pelo homem da cidade
De caboclos são chamados
Na terra estão radicados
A esse pedaço de chão dão valor
O raiar do sol
O revoar dos pássaros
A correnteza das águas do rio
O amor pela natureza
Faz do caboclo
O próprio amanhecer
Gente de verdade
Em sua humildade
Enaltece o criador
Através de mais um dia de labuta
Vai em busca
Do ensinar e do saber

 

Barrancas Seu Portal de Notícias – Dar Voz Aquele Que Não Tem Voz

Avalie esta postagem

MAIS RECENTES

0 Flares Facebook 0 Twitter 0 Google+ 0 Pin It Share 0 LinkedIn 0 0 Flares ×
Autor: isaura ardenghi reichmann
Tags

Notícias relacionadas

Comentários no Facebook