Procurador que investigava Cristina Kirchner na Argentina é encontrado morto

O procurador-federal argentino Natalio Alberto Nisman, de 51 anos, foi encontrado morto com um tiro na cabeça, na noite de domingo (18), em Puerto Madero.

Dia 15: Promotor acusa Cristina Kirchner de encobrir participação do Irã em atentado

Ele era o principal condutor de uma investigação sobre o atentado contra a Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA), que em 1994 deixou 85 mortos. Na semana passada, a presidente do país, Cristina Kirchner, foi acusada de encobrir os iranianos suspeitos de planejar o ataque.

O corpo do procurador foi encontrado no banheiro de sua casa, ao lado de uma pistola calibre 22, que pertencia a Nisman. Nisman tinha acusado a presidente e o ministro das Relações Exteriores da Argentina, Héctor Timmerman, de “decidir, negociar e organizar um plano de impunidade, e acobertar os foragidos iranianos acusados pela explosão, com o objetivo de fabricar a inocência do Irã”.

Dezembro: Presidente da Argentina é hospitalizada com fratura no tornozelo

De acordo com o magistrado, a manobra de Cristina Kirchner teve início cerca de dois anos antes da assinatura do Memorando de Entendimento com Teerã, em 2013, e contou a participação de outros políticos.

Nisman disse que as instruções partiram da própria presidente e que os motivos eram comerciais, como intercâmbio de petróleo e grãos.

Um documento de cerca de 300 páginas foi enviado ao juiz federal Ariel Lijo. O magistrado tinha pedido na quarta-feira que Cristina e Timmerman fossem interrogados pelo caso, além do embargo de 200 milhões de pesos (cerca de R$ 610 mil) em bens.
O ataque, causado por um carro-bomba à sede da Amia, no bairro Once, região central de Buenos Aires, deixou 85 mortos e cerca de 300 feridos. Os responsáveis nunca foram identificados ou julgados

 

fonte: Ig

MAIS RECENTES

Autor: Direto da Redação
Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *