Professor da rede estadual é preso com vídeos de pornografia infantil, diz PF

O professor foi preso durante operação Darkness da Polícia Federal, que apura crimes de pornografia infantojuvenil

Manaus –Um professor da rede estadual de ensino foi preso, na manhã desta quinta-feira (22), durante operação Darkness da Polícia Federal, segundo o chefe da delegacia institucional da PF, Fábio Pessoa. A operação cumpriu, ao todo, sete mandados de busca e apreensão.

Segundo o delegado, o professor compartilhou, entre 2011 e 2012, vídeos contendo pornografia infantil na rede de relacionamento do Google, já extinta, Orkut. “Conseguimos iniciar as investigações após o próprio Google informar que havia uma potencialidade de ter material de pornografia infantil no perfil deste professor. A partir dai iniciamos as investigações”, explicou Pessoa.

denominada-Operacao-Darkness-apreendeu-material_ACRIMA20150122_0030_15

Ainda conforme informações do delegado Pessoa, o professor foi preso no bairro São José 2, na zona leste de Manaus. O nome do professor e idade não foram revelados. “Com ele foram encontrados cerca de 40 vídeos de pornografia infantil que estavam em um pen drive”, explicou o delegado.

O professor foi ouvido durante a tarde e , por não ter antecedentes criminais foi arbitrado a fiança de R$5 mil, porém, até o fechamento desta matéria, o valor não foi pago e o professor foi encaminhado para a Cadeia Pública Raimundo Vidal Pessoa.

As investigações visam apurar crimes de pornografia infantojuvenil praticados por meio da rede mundial de computadores.

O professor foi preso com base no artigo 241-b do Estatuto da Criança e do Adolescente, que determina pena de reclusão de um a quatro anos pelo crime de adquirir, possuir ou armazenar, por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outra forma de registro que contenha cena de sexo explícito ou pornografia envolvendo crianças e adolescentes.

Quantos aos outros 6 mandados de busca, o material, como pen drives e lap tops, foram apreendidos pela PF. “A perícia tem três meses para a conclusão e a partir dai conseguiremos ter um norte se foram realmente os alvos que cometeram o crime, ou outros que utilizaram o computador da pessoa”, explicou Pessoa.

 

 

 

 

MAIS RECENTES

Fonte: D24

Autor: Direto da Redação
Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *