TJ-AM pede prisão de socialite por mandar matar mulher em academia

Suspeita viajou para os EUA no dia em que Denise foi baleada em academia.
Três foram presos por crime passional; socialite é considerada foragida.

Justiça do Amazonas determinou, na tarde desta quinta-feira (18), a prisão preventiva da socialite Marcelaine Santos Schumann, de 36 anos, suspeita de ter sido a mandante da tentativa de homicídio contra a estudante de direito Denise Silva, 34. A informação foi confirmada pelo delegado titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), Paulo Martins, que comanda as investigações do caso. Marcelaine teria contratado três pessoas para executarem a universitária em atentado em novembro deste ano no estacionamento de uma academia no Centro de Manaus. A suspeita, segundo a polícia, fugiu para os Estados Unidos no dia do crime e é considerada foragida. A polícia acredita em um crime passional. As duas são casadas e há suspeita de que elas seriam amantes de um mesmo homem.

o delegado confirmou que o mandado de prisão foi expedido. Em coletiva de imprensa pela manhã, quando três pessoas presas pelo crime foram apresentadas, o delegado afirmou que Marcelaine havia fugido para o exterior e, assim que ela voltasse, seria ouvida. “Estamos aguardando a chegada dela na capital para conversarmos com ela ou prendermos”, informou Martins.

Com o mandado, Marcelaine passa a ser considerada foragida da Justiça. A polícia não explicou como deve ser cumprido o mandado de prisão da suspeita para não prejudicar a ação.

O crime teve motivação passional. “Eles [presos] contam: a mandante criou na cabeça dela que o namorado estava tendo um caso com a Denise. Ela ofereceu R$ 7 mil para que o executor matasse ou alejasse a vítima, mas eles receberam apenas R$ 4 mil”, disse o titular da DEHS.

Conforme a delegada Geórgia Gomes, também da DEHS, a mandante premeditou o crime. “Ela se preocupou com detalhes que atrapalharam as investigações. Ela se ausentou de Manaus no dia do fato e tentou fazer uma rotina que a isentasse dessa culpa”, explicou.

As duas mulheres seriam casadas e há suspeita de que elas seriam amantes de um mesmo homem. “Não está nada comprovado, até porque a Denise disse que não tinha nenhum envolvimento com o suposto namorado da mandante”, afirmou Geórgia Gomes.

(Marcelaine é apontada como mandante da tentativa de assassinato de Denise por ciúme)

(Marcelaine é apontada como mandante da tentativa de assassinato de Denise por ciúme)

Três pessoas foram presas suspeitas de envolvimento no crime. Rafael Leal do dos Santos, de 25 anos, conhecido como “Salsicha”, é apontado como o atirador. Ele foi preso na tarde de quarta-feira na casa do avô na cidade de Anori, a 234 km de Manaus. Rafael teria recebido dinheiro pelo crime. À imprensa, ele afirmou que recebeu R$ 3.500 pelo crime.

“Ela [mandante] negociou comigo e me falou onde ela [vítima] ia sempre. Nunca falei com ela [mandante] pessoalmente, ela me falava pelo WhatsApp”, disse.

A polícia afirmou que o telefone do atirador estava grampeado. O mandado de prisão contra ele foi expedido na segunda-feira (15), pelo juiz Mauro Antony. Após ser preso, ele teria confessado a tentativa de homicídio e apontado a participação de outras três pessoas no crime.

loura

Outro preso, Charles “Mac Donald” Lopes Castelo Branco, de 27 anos, teria negociado o crime com a mandante. O suspeito responde por homicídio cometido na Zona Norte de Manaus. A Polícia Civil afirmou que Karen Arevalo Marques, de 22 anos, intermediou o aluguel da arma usada no crime. Ela e Charles foram presos na Rua Miratinga, bairro Jorge Teixeira, Zona Leste de Manaus. “O Rafael disse que ia me dar R$ 200 se eu conseguisse a arma. Ele não me falou para que iria utilizá-la, só disse que precisava de uma arma”, afirmou Karen.

Charles afirmou que conheceu a mandante pela internet. “Ela entrou em contato comigo pela rede social e depois pelo telefone. Ela chegou a me visitar pessoalmente no hospital duas vezes para saber como podia me pagar quando estava internado com cálculo renal. Acabou que ela me pagou algum tempo depois em um shopping”, contou.

Entenda o caso
Denise foi baleada na manhã do dia 12 de novembro deste ano no estacionamento de uma academia localizada na Avenida Getúlio Vargas, no Centro de Manaus. Após investigações, a Polícia Civil concluiu, por meio das câmeras de segurança do local, que Rafael visitou o local diversas vezes antes de cometer o crime.

Rafael disparou três vezes contra Denise. Dois tiros atingiram a universitária. Ela foi levada para o Hospital 28 de Agosto, e depois foi transferida para uma unidade de saúde particular da capital. A mulher recebeu alta dois dias após o crime.

capture-20141218-235455

 

 

 

Fonte: G1

Notícias Relacionadas

Autor: Direto da Redação
Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *