Bancos estão aumentando limite do cheque especial de clientes sem autorização

Medida vem na contramão do teto de 8% para o juro mensal, criado para combater o superendividamento

Quando o juro do cheque especial foi limitado a 8% ao mês, a mesma resolução do Conselho Monetário Nacional autorizou os bancos a cobrarem uma mensalidade por disponibilizar o dinheiro, que nada mais é do que um empréstimo pré-aprovado. Com medo de perder clientes, muitos estão anunciando que não implementarão a tarifa. Só que a coluna começou a receber nessa segunda-feira (6), mesmo dia em que as novas regras passaram a ver, dezenas de relatos de ouvintes e leitores que tiveram seus limites do cheque especial elevados sem terem sido consultados.

Isso é ilegal. Já era antes, com decisões judiciais de abrangência nacional determinando que o aumento do valor disponível no cheque especial só pode ocorrer com autorização prévia e expressa do cliente. Relembre aqui quando a coluna publicou uma sentenção da Justiça do Rio Grande do Sul: Em caso de Porto Alegre, banco é proibido de aumentar limite da conta sem cliente autorizar

E mais, essa proibição foi reforçada na própria resolução do CMN que limitou o juro do cheque especial e permitiu a cobrança da tarifa mensal. Um trecho do texto enfatiza, inclusive, que é preciso obter a autorização prévia a cada vez que em que a instituição propor a elevação.

“§ 2º A alteração de limites de que trata o caput, quando não realizada por iniciativa do cliente, deve, no caso de:
(…)
II – majoração, ser condicionada à prévia autorização do cliente, obtida a cada oferta de aumento de limite.”, determina trecho da resolução 4.765, publicada no Diário Oficial da União em 28 de novembro de 2019.

Extrato de clientes do Banrisul aponta juro acima do teto estabelecido para o cheque especialExtrato de clientes do Banrisul aponta juro acima do teto estabelecido para o cheque especial
Mesmo com juro limitado e sem mensalidade, saiba por que fugir do cheque especialMesmo com juro limitado e sem mensalidade, saiba por que fugir do cheque especial
Portanto, não é por desconhecimento. Parece que os bancos estão se fazendo de desentendidos. Não importa que a possibilidade de aumento esteja no contrato, já que o documento não pode ir contra o que é determinado em decisões judiciais e na lei.

Tomar tal medida estimula o superendividamento, que é exatamente o que o teto do juro do cheque especial buscou combater, reduzindo a bola de neve da linha de crédito mais cara do mercado. Relato de uma leitora:

— Eu tinha um limite baixo, de R$ 400, para não gastar tanto. Fui olhar e ele aumentou para R$ 1,2 mil.

Para compensar o lucro menor obtido com a redução da taxa, as instituições estão aumentando a base de cálculo sobre a qual ela incide. Além de descumprir a lei – o que nem se discute -, o banco está abrindo espaço para a inadimplência, o que não é saudável para o consumidor e nem para o sistema financeiro.

— Não se pode exigir do consumidor que monitore sua conta bancária diária ou periodicamente — diz trecho da decisão da juíza Thaís Giustina no caso citado acima pela coluna.

LEIA MAIS
Em caso de Porto Alegre, banco é proibido de aumentar limite da conta sem cliente autorizar
JPMorgan projeta impacto do teto do cheque especial no lucro do BanrisulJPMorgan projeta impacto do teto do cheque especial no lucro do Banrisul
O cliente não é obrigado a usar o cheque especial, realmente. Mas, quando o banco aumenta esse valor disponível, o consumidor tende menos a procurar outras formas não tão caras de empréstimo e até mesmo de organizar as finanças.

Há órgãos de defesa do consumidor que podem ser buscados para registrar a reclamação, caso o banco aumente o limite sem autorização e se negue a reduzi-lo quando solicitado. No entanto, no caso do setor financeiro, queixas diretas ao Banco Central têm se mostrado mais eficientes. Por mais que a autoridade não atue no caso individual, os bancos são informados do problema e buscam resolvê-lo. Até mesmo porque o Bacen divulga rankings periódicos das instituições mais reclamadas.

A coluna está entrando em contato com os maiores bancos em busca de um posicionamento. Também questionou a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), que representa o setor, e recebeu a nota abaixo:

“De forma geral, os limites de crédito são estabelecidos de acordo com o perfil de risco de cada cliente, dentro da política de cada instituição financeira.
A qualquer momento, o consumidor pode solicitar ao banco a diminuição ou o cancelamento do limite de crédito concedido.
Importante deixar claro que a FEBRABAN e seus associados não endossam e, além disso, combatem práticas que estejam em desacordo com a legislação vigente e as normas estabelecidas pelos órgãos reguladores.”

Bancos procurados pela coluna:

Banco do Brasil: Informou que não aumenta limites do cheque especial sem a anuência do cliente. E, realmente, a coluna não recebeu reclamações contra o banco.

Banrisul: A coluna ligou e mandou e-mail ao longo da manhã. No entanto, ainda não recebeu retorno.

Bradesco: Orientou buscar uma posição da Febraban.

Caixa Econômica Federal: Pediu informações individuais de leitores que reclamaram, mas não respondeu ainda qual o posicionamento do banco sobre elevação de limite do cheque especial sem autorização do cliente.

Itaú: Foi enviado o questionamento para o e-mail informado no setor de imprensa e ainda não houve retorno.

Santander: Foi enviado o questionamento para o e-mail informado no setor de imprensa e ainda não houve retorno.

Abaixo, postagem feita no Facebook da colunista com os relatos de leitores:

 

https://gauchazh.clicrbs.com.br/

Continue lendo

Comentários no Facebook

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com