Chineses quase afundam barco brasileiro na costa brasileira e dizem que agora é chinesa

EMBAIXADOR DA CHINA EXPLICA O ATAQUE A BARCO DO BRASIL

Segundo o embaixador da China no Brasil Li Jinzhang quem invadir área de pesca Chinesa foi o barco brasileiro Oceano Pesca I; mesmo estando na costa do Brasil já que no Governo Dilma foi assinado um tratado onde o Brasil cedeu por 25 anos parte da costa brasileira para pesca chinesa.

Disputa por território de pesca do atum motiva ataque do pesqueiro chinês Chang Rong 4 contra barco Oceano Pesca 1, do RN, que só não afundou porque é novo e feito de aço

Um barco de pesca brasileiro foi atacado por uma embarcação chinesa a 600 quilômetros da costa potiguar, em águas internacionais, nesta quinta-feira (22). E só não afundou porque é novo e feito de aço. O ataque foi motivado pela briga por território de pesca do atum. O Rio Grande do Norte e o Ceará produzem 30 mil toneladas por ano do pescado. Isso rende R$ 600 milhões/ano.

O barco atacado pertence ao empresário Everton Padilha, da empresa Oceano pesca I, que funciona no Rio Grande do Norte. O confronto teria acontecido por volta das 11h30. Ele foi informado pela tripulação por meio de telefone via satélite. O local fica a cerca de 100 milhas de Fernando de Noronha, ao sul.

Everton Padilha contou que sua embarcação estava pescando quando o barco chinês começou a vir para cima. E que pelo rádio e por sinais, os chineses ameaçavam afundar a embarcação brasileira. “Eles foram ameaçados. Os chineses bateram contra o barco e faziam menção de como se fosse cortar a garganta da tripulação. Além disso, arremessaram vários objetos no pessoal”, contou.

Após o ataque, o barco Oceano Pesca I navegou em sentido contrário ao Chang Rong IV, que o atacou. De acordo com Everton Padilha, os chineses ainda ficaram seguindo os brasileiros por um tempo.

O plano era que o pesqueiro do Brasil ficasse no mar até o final deste mês. Agora, por causa do ataque – que teria provocado um dano no casco da embarcação – eles estão retornando ao Rio Grande do Norte. A chegada está prevista para sábado de manhã.

Gabriel Calzavara explicou que esse é o terceiro incidente entre brasileiros e chineses. Mas esta é a primeira vez uma embarcação tenta afundar a outra. Os outros dois teriam ocorrido num período de três meses antes.

Ele afirmou que o caso é um incidente internacional e que o Governo Brasileiro tem de atuar nesse caso. “O comandante ficou dizendo pelo rádio que ia colocar o barco a fundo. Se não fosse feito de aço e novo, teria afundado. Abriu um rombo no casco”, contou.

E acrescentou: “Há uma briga no mar. Uma guerra pelo atum no Atlântico. E o Brasil está incomodando. É a guerra do Atum”, afirmou. Na avaliação dele, o que aconteceu envolvendo um barco potiguar é um incidente internacional para o qual o Governo Brasileiro tem de tomar uma atitude. Segundo ele, é importante que seja garantida a segurança das embarcações brasileiras em alto mar.

De acordo com o site da Comissão de Pesca do Pacífico Ocidental e Central, o barco Chang Rong 4 tem um tripulação composta por 30 membros e foi construído em 1997. De acordo com o site Marine Traffic, que monitora embarcações por satélite, a última localização do barco foi repassada em outubro deste ano.fonte:https://www.naval.com.br/blog/2018/11/23/guerra-do-atum-barco-brasileiro-e-atacado-por-embarcacao-chinesa-em-alto-mar/

SERÁ VERDADE OU MENTIRA?

Fonte:    mercadosporpinchas

Barrancas Seu Portal de Notícias

Avalie esta postagem

MAIS RECENTES

Author: redação
Tags

Comentários no Facebook

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com