Eco-ansiedade: como mudanças climáticas afetam saúde mental?

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é o país mais ansioso do mundo. Eventos estressantes e até mesmo alterações hormonais são alguns gatilhos para o distúrbio. Porém, outro fator pode estar aumentando as taxas de ansiedade no mundo: as mudanças climáticas.

Segundo a revista Psychology Today, o fenômeno recente chama-se “eco-ansiedade” e ainda não há estatísticas que revelem a quantidade de pessoas que estão sofrendo com o problema. Entretanto, o distúrbio é o resultado da preocupação constante com as questões ambientais e a deterioração da natureza.

Na verdade, o medo gerado pelas alterações climáticas está crescendo tanto que a Associação Psicanalítica Internacional já está classificando a situação como “a maior ameaça à saúde global do século 21”.

O fim está próximo?

Recentemente, a Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou que temos menos de 11 anos para evitar catástrofes ambientais. Nesse sentido, episódios como as queimadas na Amazônia, a extinção de espécies e o desaparecimento de rios causam a sensação de perda, desesperança e frustração.

Sentir que não podemos fazer nada para impedir a degradação do planeta nos deixa agitados, o que potencializa a ansiedade. Dessa forma, os sintomas mais comuns da eco-ansiedade incluem:

Ataques de pânico Pensamentos obsessivos Perda de apetite Insônia Altos níveis de estresse devido às mudanças climáticas

A condição ainda não foi incluída no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), mas está sendo cada vez mais relatada em consultórios psicológicos.

Tratamento para ansiedade

Caso você esteja se sentindo angustiado pelas condições ambientais do planeta e não consiga controlar os sintomas, é possível buscar a psicoterapia. Nela, você irá encontrar ferramentas para entender e driblar a situação.

Ecopsicologia

Além disso, uma nova vertente da psicoterapia também pode ser uma saída para quem está sofrendo com a eco-ansiedade: a ecopsicologia. De acordo com Theodore Roszak, criador do termo, o objetivo deste tratamento é reconectar as pessoas à natureza, incentivando-as a viver de maneira sustentável sem ficar obcecado com a questão.

 

Fonte: noticias.r7.com

Continue lendo

Comentários no Facebook

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com