HPS Platão Araújo passa por reorganização e retira pacientes do corredor

A gestão do Hospital e Pronto-Socorro Platão Araújo, na zona leste de Manaus, realizou nestas duas semanas de julho melhorias na organização da unidade que permitiram retirar pacientes que ficavam internados em condições improvisadas nos corredores. A ação foi possível com a abertura de 43 vagas de enfermaria.

Para o secretário estadual de Saúde, Rodrigo Tobias, a reorganização dos serviços das unidades para melhor atender à população tem sido uma constante da nova gestão. “A otimização de recursos, a reorganização dos espaços e a boa gestão têm nos ajudado nesse sentido. Em algumas unidades, como o Platão Araújo, as mudanças são bem visíveis. A gente sabe dos problemas, mas estamos avançando muito nas soluções, com a ajuda de todos, gestores e dos servidores”, disse o secretário.

O diretor do HPS, Márcio Rodrigues, que assumiu o cargo há 10 dias, explicou que o avanço foi possível apenas fazendo um reordenamento e melhor aproveitamento dos espaços na unidade, sem necessidade de qualquer gasto a mais com obra ou aumento de pessoal.

“Fizemos um reordenamento de seis enfermarias que estavam sendo subutilizadas, algumas como depósitos e almoxarifado, e retiramos todos os materiais que ocupavam essas salas. Realizamos a pintura e sinalização e alojamos os pacientes, que deixaram os corredores e agora estão mais bem acomodados”, disse Márcio.

Mais leitos – O diretor diz ainda que uma reforma será realizada no primeiro andar no hospital, o que deve permitir a abertura de novos leitos. “Estamos estudando com a engenharia a possibilidade de reativar uma ala do primeiro andar, que deve comportar mais enfermarias, com a previsão de pelo menos 31 novos leitos”, comentou Rodrigues.

Nesse planejamento, o hospital também ganhará novas salas para consultas ortopédicas, área bastante demandada no hospital, disse o diretor. Entre outras benfeitorias previstas para serem realizadas na unidade, estão pintura interna e da fachada do prédio, sinalização dos corredores e sistematização do fluxo de atendimento dos pacientes.

Atendimentos – O Hospital e Pronto-Socorro Platão Araújo foi inaugurado em 2006 e oferta atendimentos em urgência e emergência (adulto e pediátrico) em média e alta complexidade, internação de cirurgia-geral, ortopédica e vascular, internação pediátrica, serviços de terapia intensiva (adulto e pediátrico), serviços de imagem (raio-x, tomografia e ultrassonografia), serviços de enfermagem e serviço social.

Avaliação – As irmãs Luiza e Rosana Bezerra da Silva estão na unidade acompanhando o pai, que está internado há uma semana. As duas elogiaram a estrutura do hospital, e principalmente o atendimento dispensado à família delas pelos profissionais.

“Meu pai veio para o hospital semana passada e me surpreendi, porque o atendimento está sendo ótimo. Tanto dos enfermeiros, do pessoal da limpeza, da administração. Estou satisfeita. O atendimento aqui está sendo ótimo”, elogiou Luiza.

Rosana mora em Boa Vista (RR), e veio a Manaus para acompanhar com a irmã o tratamento do pai. Ela elogiou o processo de acolhimento dos pacientes realizados na unidade. “Meu pai foi muito bem atendido, não faltou remédio. Apesar da crise no Brasil, tiro o chapéu para o nosso Amazonas”, disse a dona de casa.

As mudanças realizadas no hospital também agradaram os profissionais. O médico pediatra Kayo Felipe Reis afirma que a retirada dos pacientes dos corredores humanizou o atendimento, e também deu mais qualidade.

“Antigamente a gente encontrava pacientes no corredor, com medicações sendo feitas no horário errado, de uma forma desorganizada. Nessa nova gestão, os pacientes saíram do corredor, foram para uma enfermaria, que é o local adequado, melhorando a questão humana para o paciente. Imagina você está internado no corredor. Isso tudo influencia até no tratamento”, avaliou o pediatra.

O médico Maronilson Abílio, responsável pela área de Clínica Médica do hospital, conta que o corredor chegava a abrigar até 60 pacientes internados de forma improvisada, sem privacidade e até com dificuldade para usar um único banheiro que tinha no local.

“Antes, nessas condições, esses 50 a 60 pacientes compartilhavam apenas um banheiro. Agora, na enfermaria, eles têm acesso a quatro ou cinco banheiros. Isso significa muito. Sem falar na privacidade. Há mais organização”, disse o médico.

O médico coordenador do setor de Ortopedia Adulta, Wellmon Souza, afirma que o ambiente de trabalho melhorou muito com a retirada das macas dos corredores, refletindo principalmente na qualidade do atendimento aos pacientes.

“Esse corredor, que tinha se transformado em enfermaria, era uma coisa ruim de ver. Imagina para o paciente, que estava sendo atendido aqui? Hoje, é um cenário bem diferente. Além de melhorar a recuperação dos pacientes, melhora também a parte de higiene, de curativos, uma vez que antes os pacientes ficam misturados: vascular junto com pé diabético”, lembra o médico.

FOTOS: Bruno Zanardo

Continue lendo
Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *