Lar São Vicente pode fechar as portas por falta de recursos

O Lar São Vicente de Paulo atende atualmente 80 idosos que residem no local

Umuarama-PR – O Lar São Vicente de Paulo pode fechar as portas por falta de recursos financeiros. A informação foi confirmada na tarde desta quarta-feira (29) por Ângelo Barreiro Gonçalves, presidente do Conselho Central de Umuarama da Sociedade São Vicente de Paulo (SSPV), entidade mantenedora do Lar dos Idosos.

A entidade fincada em Umuarama desde a década de 1960, atende atualmente 80 idosos em regime de internamento com assistência de nutricionista, fisioterapeuta, assistente social, psicóloga, além de cuidadores, monitores e auxiliares de limpeza e administrativo. O custo mensal gira em torno de R$ 141 mil, sendo R$ 100 mil somente com salários e encargos.

Segundo Gonçalves, um deficit mensal de R$ 24 mil está inviabilizando a continuidade do atendimento. “Temos essa diferença que em dois meses nos leva ao fechamento”, salientou o presidente.

USO DE 70%

Segundo Gonçalves, esse deficit surgiu com a aplicação do Estatuto de Idoso que permite o uso de apenas 70% do benefício assistencial ou aposentadoria do interno para ser usado em prol da manutenção da entidade. “Antes podíamos usar 100% desse valor que hoje é em torno de R$ 1 mil por idoso. Agora, temos um deficit de R$ 300 por idoso por mês, que somam os R$ 24 mil”, explicou Gonçalves.

Essa diferença, Gonçalves está em tratativas desde abril com a Prefeitura de Umuarama, na esperança do Município assumir a conta. Atualmente há um convênio em vigor entre a SSPV e o Município que prevê o repasse mensal de R$ 408,00 por idoso para a entidade, que totaliza R$ 32.640,00. O Lar São Vicente está pleiteando que esse valor passe para R$ 708,00. O convênio expira no próximo dia 30 de julho.

“Tivemos uma audiência no dia 24 de abril com o prefeito e pedimos a correção do valor por idoso para conseguirmos cobrir nossas despesas”, explicou Gonçalves. Até o momento não houve uma resposta formal por parte do Município, segundo o presidente do Conselho Central de Umuarama do SSPV.

ALERTA VERMELHO Sem recursos suficientes, Lar São Vicente pode fechar as portas
O presidente do Conselho Central de Umuarama da SSPV, Ângelo Barreiro Gonçalves

INTERMEDIAÇÃO

Gonçalves informou ainda que buscou apoio junto ao Ministério Público para intermediar a negociação com o Município e também para obter a resposta formal sobre o pleito. “Se fecharmos as portas o Ministério Público poderá dizer o que irá ocorrer com esses idosos. O que normalmente acontece em cidades onde não há um Lar é o Município comprar vagas em entidades de outras cidades a um custo muito maior do que estamos pleiteando”, esclareceu Gonçalves.

30% DOS BENEFÍCIOS

Segundo Gonçalves, os valores referentes aos 30% dos benefícios dos idosos podem ser usados apenas em situações específicas, por exemplo em caso de internação do idoso em um hospital, para custear uma cuidadora que atua como acompanhante.

“Esse dinheiro fica depositado em uma conta própria e quando o idoso falecer temos que devolver esse valor para a família”, explicou Gonçalves. Esse valor não pode ser usado para a compra de fraldas, por exemplo. “Essa é uma despesa que nós temos que custear”, esclareceu.

FONTES DE RENDA

Além dos valores dos benefícios dos internos, as contas são pagas mensalmente através do convênio com a Prefeitura de Umuarama que repassa R$ 32.640,00 e R$ 6 mil repassados pelo governo Federal também via convênio, correspondente ao valor de R$ 100 por idoso, referente a 60 idosos.

“Precisamos dessa diferença de dinheiro para cobrir as contas mensais. Alimentação a sociedade de Umuarama é generosa e doa alimentos”, disse o presidente do Conselho Central de Umuarama da SSPV.

As contas da entidade são auditadas e constam no portal da transparência.

RESPONSÁVEIS LEGAIS

Ângelo Gonçalves salientou ainda que somente a presidência do Conselho Central de Umuarama da SSPV, entidade mantenedora do Lar São Vicente e a presidência do Lar São Vicente estão autorizadas a se manifestar oficialmente sobre a questão. “Não reconhecemos e não autorizamos qualquer outra pessoa a falar pela entidade”, finalizou.

NOTA DA PREFEITURA DE UMUARAMA

‘A Prefeitura de Umuarama informa que repassa subsídio mensal ao Lar São Vicente de Paulo, bem como a diversas outras entidades que prestam importante trabalho social no município, e por questões legais não pode ser o único mantenedor de nenhuma dessas instituições.

O prefeito Celso Pozzobom recebeu representantes do Lar solicitando apoio e está solidário diante das dificuldades, já que muitas pessoas que costumavam colaborar com as entidades passaram a centralizar as doações a um único hospital, o que reduziu drasticamente o apoio destinado às entidades.

O município repassa mensalmente R$ 32.640,00 para a manutenção do Lar e há informação de mais R$ 6 mil mensais do governo federal. Mesmo assim a administração municipal está engajada, procurando parceiros que possam contribuir com a manutenção da entidade.

Em tratativas com uma empresa de comunicação, foi sugerida uma ação beneficente para o Lar durante evento cultural.

É importante lembra que as organizações não governamentais (ONGs) podem receber auxílio financeiro dos governos municipal, estadual e federal, mas também dependem de ações da sociedade e da população em geral, pois não podem ser sustentadas exclusivamente pelo poder público’.

COZINHA CEDEU

Segundo Angelo Gonçalves, presidente do Conselho Central de Umuarama da SSPV, parte da cozinha do Lar São Vicente de Paulo cedeu com as chuvas ocorridas na noite de terça-feira (28). “Estamos na dependência de um engenheiro civil voluntário para nos dar um laudo para termos noção do tamanho do prejuízo e o que precisamos fazer”, explicou.

 

fonte: ilustrado

 

 

Continue lendo

Comentários no Facebook